Perguntas e Respostas sobre as vacinas

Para ajudar você saber mais sobre indicação, eficácia, segurança e outros temas relacionados com as vacinas Covid-19, a SBIm elaborou as respostas para as perguntas mais frequentes. Acesse e fique atualizado(a) com #InformaçãoDeVerdade!

Os coronavírus fazem parte de uma velha conhecida família de vírus, responsáveis por infecções respiratórias em seres humanos (resfriados) e em animais. O SARS-CoV-2, também conhecido como novo coronavírus, é uma cepa identificada em 2019 que, infelizmente, tem algumas características genéticas que o tornam mais transmissível e capaz de causar quadros clínicos mais graves.

Os sinais clínicos mais comuns são semelhantes aos de um resfriado: tosse, febre, coriza e dor de garganta. Também é possível haver perda de olfato e de paladar (ageusia), conjuntivite, náuseas, dor de estômago, diarreia, dor de cabeça e lesões de pele e alteração do nível de consciência. Alguns casos evoluem para pneumonia, insuficiência respiratória e morte.

Pessoas que:

  • Tiveram contato próximo, prolongado e desprotegido — isto é, a menos de 2 metros de distância, por 15 minutos ou mais, sem uso de máscaras adequadas — com um paciente com infecção confirmada por SARS-CoV-2, independentemente da presença de sintomas.
  • Permanecem com frequência em ambientes onde há aglomeração
  • Moram ou estiveram recentemente em áreas com alta transmissão também estão em maior risco de infecção.

Atualmente, o tratamento é baseado nos sintomas individuais de cada paciente. Medicamentos específicos contra a Covid-19 estão em estudo, alguns com resultados muito promissores em pacientes internados de alto risco para formas graves da doença.

Ainda não há medicação eficaz na prevenção do vírus. Hidroxicloroquina, cloroquina, nitazoxanida, azitromicina, ivermectina, corticosteroide sistêmico e ozonioterapia são comprovadamente ineficazes tanto para a prevenção quanto para o tratamento precoce.

A principal forma de transmissão é via contato direto com secreções contaminadas, por meio de pequenas gotículas (aerossóis) expelidas ao falar, tossir ou espirrar. Também existe a possibilidade de ser infectado após tocar em um objeto ou superfície onde essas gotículas tenham se depositado e levar as mãos aos olhos, nariz ou boca. Por isso, o uso de máscara, a higienização das mãos com água e sabão ou álcool 70% e as medidas de distanciamento são fundamentais.

O vírus SARS-CoV-2 inteiro já foi isolado em amostras do trato respiratório superior e do fluido de lavagem broncoalveolar, bem como em cultura de células das fezes de alguns pacientes. O RNA, material genético, foi detectado em amostras do trato respiratório superior e inferior e em amostras de sangue e fezes. 

Não há certeza se fluidos corporais não respiratórios de uma pessoa infectada, como sangue, vômito, fezes urina, leite materno ou sêmen, podem conter SARS-CoV-2 infeccioso viável (capaz de causar covid-19). Da mesma forma, não se sabe por quanto tempo é possível detectar o RNA, mas o período pode levar algumas semanas, sem que o paciente necessariamente seja capaz de transmitir a doença.

O período de incubação, que vai da exposição até o início dos sintomas, pode variar de dois a 14 dias. Isso também vale para outros coronavírus.

Sim. A transmissão do SARS-CoV-2 se estende do período de incubação do vírus (dois a 14 dias antes do início dos sintomas) até, em média, sete dias após o surgimento do quadro clínico. Além disso, pessoas que não têm sintomas ou apresentam quadros leves — a maioria — são capazes de disseminar a doença sem saber. Por isso, é importante adotar medidas gerais, como lavar as mãos com frequência, usar máscaras, distanciamento e não compartilhar objetos de uso pessoal.

Com base nas evidências atuais, acredita-se que pessoas com quadros leves e moderados de COVID-19 podem transmitir o vírus por até 10 dias após o início dos sintomas. Um pequeno número de indivíduos com covid-19 grave, incluindo imunocomprometidos, pode transmitir por até 20 dias. A transmissão se inicia ainda durante o período de incubação, geralmente 48 horas antes dos primeiros sintomas.

Em alguns casos, o RNA (material genético) do SARS-CoV-2 é detectado por exames laboratoriais semanas após o início da doença. O achado, no entanto, não significa necessariamente que exista vírus viável (capaz de causar covid-19).

Apesar de não ser uma situação comum, a pessoa pode ser infectada mais de uma vez (e voltar a transmitir), especialmente diante do surgimento de novas variantes do vírus. Por esse motivo, é essencial se vacinar e, mesmo que já vacinado, não abandonar as medidas de distanciamento e higienização das mãos.

VacinAção pela Vida - Covid-19. Assista aos vídeos.