Covid-19

O que dura mais: a imunidade causada pela própria Covid-19 ou a produzida pelas vacinas?

Imprimir

A proteção conferida pela doença, chamada de “imunidade natural”, pode variar de pessoa para pessoa. Como estamos lidando com uma nova doença e com um vírus de comportamento muito peculiar, esse tempo ainda é incerto. As evidências disponíveis até o momento sugerem que é incomum contrair a doença pela segunda vez. Quando isso acontece, raramente ocorre em menos de 90 dias após a primeira infecção. Já existem dados demonstrando que a proteção pode durar pelo menos oito meses em grande parte das pessoas que adoeceram.

Também não sabemos com exatidão por quanto tempo as vacinas prevenirão a Covid-19. Dados demonstram que a infecção de pessoas com o esquema vacina completo é muito pouco frequente nos primeiros seis meses após a vacinação. O acompanhamento da pandemia e dos indivíduos vacinados, na vigência de vacinação em massa no mundo real, tem trazido cada vez mais evidências sobre o que poderemos esperar em termos de duração de proteção pelas vacinas. O mais importante é lembrar que, mesmo que a proteção eventualmente seja menos longa, as vacinas não envolvem os riscos do adoecimento.