Covid-19

Fiocruz/Oxford/AstraZeneca

Imprimir

O que previne:

A Covid-19, doença causada pelo vírus SARS-CoV-2.

Dados sobre eficácia em estudos clínicos de fase 3 (Brasil, Reino Unido e África do Sul):

Efetividade (resultados na vida real):

Do que é feita:

Cada dose de 0,5 mL contém 5 × 1010 partículas virais (pv) do vetor adenovírus recombinante de chimpanzé, deficiente para replicação (ChAdOx1), que expressa a glicoproteína SARS-CoV-2 Spike (S). Excipientes: L-Histidina, cloridrato de L-histidina monoidratado, cloreto de magnésio hexaidratado, polissorbato 80, etanol, sacarose, cloreto de sódio, edetato dissódico di-hidratado (EDTA) e água para injetáveis.

Como funciona:

Em laboratório, o gene que codifica a produção de proteína S, responsável pela ligação do SARS-CoV-2 com as nossas células, é inserido dentro de um adenovírus que circula entre chimpanzés. Esse adenovírus, que funciona como um vetor, é modificado para que seja incapaz de se replicar no nosso organismo, ou seja, ele não causa qualquer doença ou faz alterações no genoma.

Após a vacinação e a entrada do vetor vacinal na célula humana, o gene que codifica a proteína S é transformado em uma molécula chamada RNA mensageiro (mRNA), que contém instruções para a produção de proteínas S. As proteínas produzidas se fixam na superfície celular e o sistema imunológico começa a atuar em diferentes “frentes”:

Enquanto a imunidade durar e a pessoa vacinada tenha contato com o vírus, o organismo será capaz de “lembrar” como fazer para neutralizar rapidamente o SARS-CoV-2.

Importante: em nenhum momento do processo o adenovírus e o material genético do SARS-CoV-2 entram no núcleo da célula humana, onde está localizado o genoma.

Indicação:

Vacina para uso em homens e mulheres a partir de 18 anos.

Contraindicações:

Esquemas de doses:

Saiba mais aqui, aqui e aqui.

Precauções para a vacinação:

Via de aplicação:

Intramuscular, no músculo deltoide.

Apresentação:

Disponibilizada na forma líquida, em frascos com 5 ou 10 doses cada. 

Confira o resumo das especificidades de todas as vacinas Covid-19 disponíveis no PNI.     

Armazenamento e conservação:

Preparação:

Cuidados antes, durante e após a vacinação:

Efeitos e eventos adversos:

Os eventos adversos mais comuns são sensibilidade no local da injeção (> 60%), cefaleia, fadiga (> 50%), mialgia e mal-estar (> 40%), febre; calafrios (> 30%), artralgia e náusea (> 20%). A maioria das reações adversas é de intensidade leve a moderada e usualmente resolvida dentro de poucos dias após a vacinação. Os eventos foram mais leves e menos comuns em idosos (idade igual ou acima 65 anos). Da mesma forma, frequência e a intensidade dos eventos foram menores na segunda dose.

Raros casos de eventos adversos com formação de trombo têm sido reportados na literatura mundial, mas o perfil de risco benefício da vacina é ainda favorável. No Brasil, a taxa observada foi de 0,89 evento tromboembólico para cada 100 mil doses aplicadas, taxa inferior à esperada para a população em geral.

Os profissionais de saúde devem ficar atentos a sinais e sintomas de trombose ou tromboembolismo associados a plaquetopenia, para tratá-los de acordo com as recomendações disponíveis. Além disso, o vacinado deve ser informado sobre os sinais e sintomas que indicam a necessidade de atendimento médico imediato. São eles: dispneia, dor torácica, edema de membro inferior, dor abdominal persistente, cefaleia intensa e persistente, turvação visual e petéquias fora do local da vacinação.

Atenção:  Indivíduos que na primeira dose receberam vacinas covid-19 que utilizam vetores virais (Astrazeneca/Oxford ou Janssen) e apresentaram em seguida um episódio de trombose venosa ou arterial maior associado à plaquetopenia devem completar o esquema com vacina de plataforma tecnológica distinta (Pfizer ou Coronavac). Saiba mais aqui.

Onde pode ser encontrada:

Observação: até o momento não há previsão da disponibilidade desta vacina no setor privado no Brasil.