Palavra do Presidente

Consultar, orientar, educar, prescrever

Imprimir

Isabella Ballalai - Presidente da SBIm

Unanimidade, amigo leitor. Arrisco a dizer que não há um profissional da Saúde que duvide que a vacinação seja a melhor estratégia para ficarmos longe das doenças imunopreveníveis. Mas, o que nós, médicos e enfermeiros, por exemplo, fazemos com essa informação?

Ter conhecimento é essencial, mas sem uma atitude que promova a ação preventiva, de fato, é muito pouco ou quase nada. Vejamos: pesquisa realizada com 512 pacientes de 19 a 64 anos do hospital da Universidade Hacettepe, em Ancara, na Turquia, apontou que apenas 36,1% (53) dos participantes receberam recomendação para se imunizar na vida adulta. Enquanto entre eles o índice de vacinação foi de 71,4%, o de indivíduos não orientados foi de 34,9%.

Outro levantamento, conduzido com 1.351 profissionais da Saúde do Brasil, Itália e Estados Unidos, mostrou que os brasileiros foram os que se mostraram menos familiarizados com a vacinação e menos confiantes, citando falta de treinamento e conhecimento como barreiras significativas.

Os dados ilustram bem as oportunidades perdidas e apontam, sim, um dos pilares fundamentais para mantermos elevadas coberturas vacinais: a atualização e a prescrição.

Sim, o papel de cada profissional da Saúde na ampliação das coberturas vacinais começa pela atualização, passa pela orientação e correta indicação, e termina na prescrição. Não adianta desejarmos novos e melhores imunobiológicos se falharmos na assistência. Em síntese: de nada adianta reconhecer o relevante papel das vacinas como instrumento da saúde e da qualidade de vida se, no dia a dia, vacilamos na assistência.

A SBIm busca construir uma ampla rede de conhecimentos por meio de ações de atualização e formação continuada, e da parceria com as sociedades de especialidade. Entende que, juntos, somos mais fortes e eficientes na disseminação dos fatos inequívocos que reforçam a segurança e eficácia das vacinas. Os canais de comunicação são múltiplos, estão disponíveis e a realidade é conhecida.

Agora… precisamos fazer a nossa parte! Consultar, orientar, educar, prescrever.

Um abraço!

Isabella Ballalai
Presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm)