Notícias

Posicionamento sobre a comercialização das vacinas covid-19 em clínicas privadas

A SBIm publicou posicionamento sobre o início da oferta das vacinas Covid-19 pelas clínicas privadas. A comercialização foi permitida a partir de 22 de maio, quando entrou em vigor a portaria do Ministério da Saúde que determinou o fim da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) pela Covid-19.

No texto, a entidade destaca que as vacinas devem ser disponibilizadas apenas para o público contemplado na rede pública, com os mesmos esquemas, intervalos, número de doses e reforços previstos no Programa Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a Covid-19 (PNO) e Notas Técnicas complementares.

O documento ressalta, ainda, que também são responsabilidades dos estabelecimentos registrar as doses administradas no sistema integrado nacional e, se houver eventos adversos pós-vacinação (EAPV), informar a farmacovigilância, investigar os casos, acompanhá-los e manejá-los, de acordo com o previsto no PNO. Entre os EAPV estão os erros programáticos de imunização, que incluem a vacinação inadvertida de grupos ou faixas etárias para as quais a vacina ou dose não são recomendadas.

Leia na íntegra.